Bem Vindo à Guitanda!

Violão José Chagas 2008 SP/IN (VENDIDO)

Disponibilidade: Esgotado

R$0,00

Descrição Rápida

(VENDIDO)

 

José Chagas 2008 - Usado

Violão Clássico

 

Condição: estrutural (5/5), estética (3/5)

Tampo: Abeto (maciço)

Fundo e laterais: Jacarandá Indiano (maciço)

Braço: Mogno

Escala: Ébano, Sobreposta (tradicional), 19 trastes

Formato do braço: “D”

Acabamento: Goma-Laca tampo, PU restante.

Rastilho e pestana: Osso














Cordas: clássicas (nylon, carbono, similares)

Comprimento de corda: 645 mm

Espaçamento de cordas pestana/rastilho: 42/57 mm

Tarraxas: Condor

Tensor: Não

Estojo: Gator (incluso)







* Selecione a opção "À vista: depósito, cheque, dinheiro" ao finalizar a compra, e o desconto será aplicado antes da confirmação de fechamento do pedido


Diagonal

Duplo clique na imagem acima para visualizá-la maior

Reduzir
Aumentar

Mais Visualizações

  • Frente
  • Diagonal
  • Lateral
  • Fundo
  • Mão
  • Tarraxas Condor
  • Mão: costas
  • Roseta e cavalete
  • Detalhe: roseta e filetação
  • Estojo Gator
  • Selo

Detalhes

Violão Clássico José Chagas 2008 SP/IN n.254:
 
(VENDIDO)
 
O brasileiro José Chagas é um tradicional luthier carioca, que ao longo dos anos desenvolve um trabalho consistente e respeitado no cenário da luteria de violões. Fortemente influenciado pelo trabalho de Sergio Abreu, que foi seu mentor, Chagas segue a linha de construção chamada "tradicional", que se caracteriza por instrumentos da família Torres-Hauser, com foco em sofisticação de timbre, nuances de cor, nitidez e refinamento. E assim são seus instrumentos, de grande beleza sonora aliada a outras boas características para uso em concerto. Com centenas de instrumentos construídos, seu trabalho possui reconhecimento nacional, se tratando de um luthier de nome firmemente estabelecido no mercado.
 
Este exemplar, de 2008, é uma boa mostra deste trabalho. A qualidade de um instrumento passa pela escolha das madeiras, e, neste violão, o Chagas selecionou muito bons materiais. O fundo e laterais são de Jacarandá Indiano, escuro, radial, com muito boa aparência e propriedades de corte. O tampo é feito de abeto europeu, com boa idade, corte radial, boa densidade de veios, raios medulares, enfim, todas as características para se fazer um violão de qualidade. Com o excelente corte, as madeiras são estáveis, menos propensas a rachaduras, mais rápidas na resposta, gerando uma sonoridade mais redonda e refinada. O braço é de Mogno e a escala de Ébano.
 
A sonoridade é o ponto alto do instrumento, com timbre doce, cristalino, sofisticado. Ele tem brilho, o que confere um som aberto apesar de doce, e aquela sensação de ressonância de catedral, com harmônicos agudos temperando o timbre. Outro ponto alto é que o som é encorpado, robusto, misturando presença com delicadeza de nuances. Realmente o que podemos considerar um timbre tradicional e belo de violão. O ataque é doce e macio, semi-pronunciado, com decaimento lento e boa sustentação, o que, aliado ao timbre, confere ao instrumento expressividade e bons cantabiles.
 
Ótimo equilíbrio vertical (entre cordas), com uma corda sol muito boa, com brilho e e transição suave para as vizinhas. A primeira corda encorpada, e bordões profundos, cheios, mas com nitidez. Realmente muito balanceado. O equilíbrio horizontal possui algumas casas com ressonância um pouco díspar, mas dentro do nível normal de um instrumento tradicional de pouca idade. O desempenho em posições acima da 5a. casa é bom, e digno de nota o bom funcionamento nas cordas intermediárias. As posições sobreagudas ainda podem se desenvolver mais.
 
O volume é de médio a bom, dentro do universo de concerto, com projeção de longo alcance e foco. Muito boa nitidez, com separação de vozes, como é característica de bons violões de abeto. O retorno de som é também interessante, com o intérprete podendo ouvir o violão de forma razoavelmente fiel, o que faz com que o instrumento gere resposta a quem toca, aumentando assim a percepção de como o som projeta, e o prazer de tocar.
 
Boa resposta tímbrica, com controlabilidade de mudança de colorido com a mudança de toque de mão direita. Transita bem entre o metálico e o doce, mas o violão favorece mais os timbres doces. Não tão fácil vibrato, e a resposta dinâmica é razoável, com melhores pianos e mezzos que fortíssimos, mas com pianíssimos encorpados e projetados.
 
Tocabilidade razoável, com braço em forma de D, resto atrás e arredondado na quinas. Espessura de tamanho médio, nem fino demais nem grosso demais, propiciando a mão esquerda se fechar naturalmente. O comprimento de corda de 645 mm propicia um pouquinho mais de conforto em aberturas.
 
O acabamento é simples, com decoração sóbria, roseta tradicional, mas com boa qualidade de montagem. A beleza acaba vindo da valorização das madeiras. O verniz utilizado é a goma-laca no tampo e o poliuretano no restante. A goma-laca é um verniz bastante tradicional, orgânico, que propicia uma sonoridade mais livre e com mais harmônicos, nesse tipo de construção. O poliuretano é um verniz sintético, que propicia melhor proteção contra riscos e suor. A goma do tampo possui diversas marcas superficiais, todas passíveis de retoque, e visíveis apenas contra a luz.
 
Inclui estojo térmico da marca Gator, novo, e tarraxas Condor.
 
Conservação:
- estrutural: 5/5. Excelente estado, é um violão bem montado, robusto, e sem nenhum histórico de acidentes.
- estética: 3/5. O tampo possui diversas marcas na goma-laca, mas todas superficiais. 
 
Resumo:
 
Pontos fortes: Timbre sofisticado, doce e expressivo, com nuances de colorido e baixos profundos. Equilíbrio vertical. Bom retorno e projeção de longo alcance.
 
Pontos fracos: É novo e precisa de mais amadurecimento para melhorar equilíbrio horizontal. Leque dinâmico com limitação nos fortíssimos. 
 
Conclusão: Um instrumento delicioso de tocar, com timbre belo e expressivo, e bom retorno a quem toca, que consegue ouvir a beleza da sonoridade que sai do violão. Para quem busca um violão tradicional de sonoridade doce, sem ser opaco, boa projeção e nitidez, é uma opção muito atrativa. É um instrumento com sofisticação, bem recomendado para o repertório clássico, solista, de todos os períodos. Tem boa separação de vozes e sustentação para Renascimento e Barroco, é doce e cantante para Clássico e Romântico, equilibrado e rico para repertório Moderno, graves profundos e presentes para repertório Espanhol e Brasileiro. Talvez não agrade quem busca um violão de acompanhamento, ou maior volume e tocabilidade. Mas para quem quer um violão de palco, que também dá grande prazer pessoal, com uma faixa de preço inacreditavelmente baixa, este é extremamente recomendado.

Informações Adicionais

Especificações Não

Tags do Produto

Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.