Bem Vindo à Guitanda!

Violão Irmãos Carvalho CT4 "Composite Luxo" CD/IN (Desconto de R$ 300,00 à vista*)

Disponibilidade: Em estoque

De: R$4.500,00

Por: R$4.300,00

Violão Irmãos Carvalho CT4 "Composite Luxo" CD/IN (Desconto de R$ 300,00 à vista*) está disponível apenas em quantidades multiplas de 1

Descrição Rápida

Irmãos Carvalho CT4 - Novo
Violão Clássico
Encomenda com prazo de 120 dias úteis
Preço promocional até 30/11

Condição: estrutural (5/5), estética (5/5)
Tampo: Cedro Canadense (composite)
Fundo e laterais: Jacarandá Indiano (maciço)
Braço: Mogno
Escala: Ébano, Tradicional (Elevada opcional), 19 trastes
Formato do braço: “D”, suave
Acabamento: PU fino
Rastilho e pestana: Osso
Soundport: Opcional
Cordas: clássicas (nylon, carbono, similares)
Comprimento de corda: 650 mm
Espaçamento de cordas pestana/rastilho: 43/58 mm
Tarraxas: Condor luxo
Tensor: Dupla ação
Estojo:  Incluso



* Selecione a opção "À vista com desconto: depósito, cheque, dinheiro" ao finalizar a compra, e o desconto será aplicado antes da confirmação de fechamento do pedido

Diagonal - modelo de cedro canadense (a aparência das madeiras pode variar)

Duplo clique na imagem acima para visualizá-la maior

Reduzir
Aumentar

Mais Visualizações

  • Frente, modelo de cedro canadense (a aparência das madeiras pode variar)
  • Diagonal - modelo de cedro canadense (a aparência das madeiras pode variar)
  • Lateral  (a aparência das madeiras pode variar)
  • Fundo (a aparência das madeiras pode variar)
  • Fundo Diagonal  (a aparência das madeiras pode variar)
  • Mão - frente (a aparência das madeiras pode variar)
  • Tarraxas Condor Luxo (a aparência das madeiras pode variar)
  • Mão - costas (a aparência das madeiras pode variar)
  • Selo
  • Estojo AMS (foto ilustrativa)

* Campos Requeridos

De: R$4.500,00

Por: R$4.300,00

Detalhes

Violão Clássico Irmãos Carvalho "Composite Luxo"
  
Os violões Composite são instrumentos cada vez mais em voga mundialmente, uma forma inovadora de construção, com tampo composto por diferentes materiais, a fim de produzir características físicas que resultam em maior volume e projeção. Esta tecnologia, também chamada de "double-top" quando um dos materiais do tampo composto é o Nomex, foi desenvolvida na década de 1980 pelo luthier alemão Matthias Dammann, e adotada por grandes concertistas como Manuel Barrueco, David Russell e Odair Assad.
 
Muitos dos maiores instrumentos do mundo hoje são Composites, inclusive os do luthier brasileiro Samuel Carvalho, e geralmente são instrumentos em faixa de valor bastante elevada, e com acesso restrito ao mercado da América do Sul.
 
O luthier Samuel Carvalho desenvolveu este modelo com vistas a disponibilizar esses excepcionais instrumentos de forma acessível financeiramente e geograficamente ao mercado latino-americano. Com a concepção de projeto e os tampos de autoria do Samuel Carvalho, com sua já famosa expertise mundial neste tipo de contrução, o resultado é um instrumento com nivel de concerto internacional, timbre vigoroso e responsivo, com volume ótimo, boa sustentação e projeção de longo alcance. O foco é o mercado latino-americano, e suas vendas serão exclusivas aos países que o compõem.
 
Os materiais são selecionados com excelente corte e propriedades acústicas. O fundo e laterais são maciços, de Jacarandá Indiano de boa densidade e corte radial, e o tampo é de Abeto (também conhecido com Pinho), estilo composite "double-top" (com camada central de Nomex).  O braço é de Mogno e a escala é de Ébano, tradicional, 65 cm.
 
O Nomex é uma fibra sintética desenvolvida pela Dupont, com formato de favo de mel, para uso aeroespacial. Sua característica é propiciar uma grande resistência estrutural ao tampo, sem perder leveza, de forma a se obter um tampo mais responsivo, leve e vibrante. O Jacarandá Indiano é uma madeira nobre, celebrada pelo seu equilíbiro com bons graves e brilho, e que foi selecionado para equilibrar harmoniosamente a sonoridade do tampo composto. O corte das madeiras é fantástico, e seu estado de secagem e amadurecimento também, com alta qualidade de seleção. Os tampos de cedro deste modelo possuem corte radial e estruturas medulares visíveis em toda a extensão, com grande resposta sonora.
  
A sonoridade do instrumento é vigorosa e muito potente. Possui som bastante encorpado, com timbre escuro e dramático. É uma sonoridade de um tampo de cedro tradicional, porém com maior peso e flexibilidade nas variações de timbre. Possui um certo brilho na voz, que dá destaque a som e garante a nitidez nos acordes e passagens polifônicas, tendo assim uma vantagem na separação de vozes e colorido em relação a violões tradicionais de cedro. O ataque tende ao suave, com certo impacto, mas sem ser percussivo. Assim, a nota tocada transmite uma sensação de nitidez junto com a de maciez.
 
A potência e projeção são um caso a parte: o violão responde muito bem ao toque, gerando bastante volume do som, e, além disso, projeta essa massa sonora de forma nítida, a distâncias de dezenas de metros. A perda sonora com a distância é relativamente pequena, e aliada ao volume, essa característica de projeção torna este instrumento muito adequado para palco. E não só os fortes, como também os pianos projetam bem, gerando uma gama dinâmica bem ampla.
 
Outro ponto bastante interessante é a sustentação, bastante acima da média, com as notas durando por um bom tempo tanto nos agudos como nos graves, em todas as posições. Ou seja, é um instrumento equilibrado. A tocabilidade é muito boa, com braço confortável, em forma de D suave, nem muito fino nem muito grosso, e cordas que reagem bem mesmo com altura mais próxima da escala.
 
O verniz é o poliuretano, aplicado com uma técnica especial, numa camada fina, que preserva a sonoridade, e ainda propicia certa proteção contra riscos. Não tanta quanto com uma camada grossa de poliuretano, e nem tão pouca quanto com a goma-laca, mas numa relação sonoridade x proteção bem interessante.
 
Esteticamente, possui decoração sóbria e singela, e o destaque são a mão no formato Torres com lâmina decorativa de jacarandá dos dois lados, e as próprias madeiras. A qualidade de acabamento de verniz e de montagem de filetes e junções não é o ponto forte desse modelo, apresentando certas imperfeições em todos os exemplares.
  
Acompanha Estojo e tarraxas Condor Luxo.
 
Condição:
- estrutural: 5/5. Excelente estado, é um violão novo.
- estética: 5/5. Excelente estado, é um violão novo.
 
Resumo:
 
Pontos fortes: Potência e projeção notórias, gama dinâmica (desempenho nos pianos e nos fortes) e sustentação excelente. Sonoridade encorpada da primeira à sexta corda, timbre de cedro tradicional mas com mais colorido e ataque mais macio. Muito bos graves.
 
Pontos fracos: Resposta tímbrica boa, mas não excelente. Timbre escuro pode não agradar os que gostam de timbre brilhante, o equilibrio pode tender mais aos graves em certos momentos. Acabamento.
 
Conclusão: Um violão excepcional na faixa de valor, nível de concerto. É um instrumento definitivo, e para os que gostam da sonoridade de cedro, com som grave e vigoroso, é extremamente recomendado. Poderia-se dizer que é um violão de cedro tradicional melhorado, pois timbricamente é indistinguível dos tradicionais de cedro que os Irmãos Carvalho costumavam fazer, mas nos aspectos técnicos é superior. Não conhecemos nenhum outro instrumento, nessa faixa de valor, com tamanho desempenho em potência, projeção e sustentação. Está pronto para usar em palcos, e é indicado a instrumentistas que busquem som encorpado, cheio, sustentação, bons graves, muito boa tocabilidade e audibilidade por parte das platéias.
 
 
Sobre a captação opcional dBR Classical
 
A captação dBR Classical é um sistema moderno, passivo, que utiliza 4 sensores (transducers), fixados na parte interna do tampo, para capturar as mais variadas frequências do instrumento e produzir um sinal de alta fidelidade. Com este sistema, que captura as vibrações diretamente da madeira, entendemos que a sonoridade acústica do violão é traduzida de forma bastante natural, mantendo a qualidade de timbre em um sistema amplificado. Ela responde a toques fortes sem estourar, reproduz variações de timbre e vibratos, traz resposta equilibrada entre as cordas, permite amplificação de sons percussivos no corpo do instrumento e, mesmo não tendo a força de sinal de um sistema ativo, pode tranquilamente ser ligada diretamente à mesas e caixas de som sem necessidade de preamplificação. Devido ao fato de não haver nenhum elemento entre rastilho e cavalete, nem haver rasgos na lateral (pela ausência de preamp), o sistema interfere muito pouco na sonoridade acústica, e o violão pode facilmente ser revertido ao estado original ou receber outro sistema de captação. Por não necessitar de bateria, é um sistema prático e que gera economia ao longo do tempo. A captação dBR Classical é projetada especificamente para violões clássicos, e é produzida na dBR Acoustics por especialistas em sonoridade de violão e aprovada por músicos profissionais.
 
Após realizarmos extensivos testes, com resultados sempre melhores do que os diversos sistemas tradicionais, esta foi a captação selecionada pela Guitanda para os instrumentos Carvalho. Ela pode ser usada sem necessidade de preamp, ou em conjunção com um preamp externo para resultados mais particulares. Acreditamos que o sistema de sensores é o presente e futuro dos sistemas de amplificação de violões, sendo uma tecnologia muito superior aos sistemas de piezo e/ou de mic interno. 
  
Mais informações em: https://www.dbrsound.com/

Informações Adicionais

Especificações Não

Tags do Produto

Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.