Bem Vindo à Guitanda!

Violão Irmãos Carvalho CT3 "Composite Luxo" SP/IN (Desconto de R$ 300,00 à vista*)

Disponibilidade: Em estoque

R$4.500,00
Violão Irmãos Carvalho CT3 "Composite Luxo" SP/IN (Desconto de R$ 300,00 à vista*) está disponível apenas em quantidades multiplas de 1

Descrição Rápida

Irmãos Carvalho CT3 - Novo
Violão Clássico
Encomenda com prazo de 120 dias úteis

Condição: estrutural (5/5), estética (5/5)
Tampo: Abeto (composite)
Fundo e laterais: Jacarandá Indiano (maciço)
Braço: Mogno
Escala: Ébano, Tradicional (Elevada opcional), 19 trastes
Formato do braço: “D”, suave
Acabamento: PU fino
Rastilho e pestana: Osso
Soundport: Opcional
Cordas: clássicas (nylon, carbono, similares)
Comprimento de corda: 650 mm
Espaçamento de cordas pestana/rastilho: 43/58 mm
Tarraxas: Condor luxo
Tensor: Dupla ação
Estojo:  Incluso



* Selecione a opção "À vista com desconto: depósito, cheque, dinheiro" ao finalizar a compra, e o desconto será aplicado antes da confirmação de fechamento do pedido

Diagonal (foto ilustrativa)

Duplo clique na imagem acima para visualizá-la maior

Reduzir
Aumentar

Mais Visualizações

  • Diagonal (foto ilustrativa)
  • Lateral (foto ilustrativa)
  • Fundo (foto ilustrativa)
  • Fundo Diagonal (foto ilustrativa)
  • Mão - frente (a aparência das madeiras pode variar)
  • Tarraxas Condor Luxo (a aparência das madeiras pode variar)
  • Mão - costas (a aparência das madeiras pode variar)
  • Selo
  • Estojo AMS (foto ilustrativa)

* Campos Requeridos

Detalhes

Violão Clássico Irmãos Carvalho "Composite Luxo"
 
Os violões Composite são instrumentos cada vez mais em voga mundialmente, uma forma inovadora de construção, com tampo composto por diferentes materiais, a fim de produzir características físicas que resultam em maior volume e projeção. Esta tecnologia, também chamada de "double-top" quando um dos materiais do tampo composto é o Nomex, foi desenvolvida na década de 1980 pelo luthier alemão Matthias Dammann, e adotada por grandes concertistas como Manuel Barrueco, David Russell e Odair Assad.
 
Muitos dos maiores instrumentos do mundo hoje são Composites, inclusive os do luthier brasileiro Samuel Carvalho, e geralmente são instrumentos em faixa de valor bastante elevada, e com acesso restrito ao mercado da América do Sul.
 
O luthier Samuel Carvalho desenvolveu este modelo com vistas a disponibilizar esses excepcionais instrumentos de forma acessível financeiramente e geograficamente ao mercado latino-americano. Com a concepção de projeto e os tampos de autoria do Samuel Carvalho, com sua já famosa expertise mundial neste tipo de contrução, o resultado é um instrumento com nivel de concerto internacional, timbre vigoroso e responsivo, com volume ótimo, boa sustentação e projeção de longo alcance. O foco é o mercado latino-americano, e suas vendas serão exclusivas aos países que o compõem.
 
Os materiais são selecionados com excelente corte e propriedades acústicas. O fundo e laterais são maciços, de Jacarandá Indiano de boa densidade e corte radial, e o tampo é de Abeto (também conhecido com Pinho), estilo composite "double-top" (com camada central de Nomex).  O braço é de Mogno e a escala é de Ébano, tradicional, 65 cm.
 
O Nomex é uma fibra sintética desenvolvida pela Dupont, com formato de favo de mel, para uso aeroespacial. Sua característica é propiciar uma grande resistência estrutural ao tampo, sem perder leveza, de forma a se obter um tampo mais responsivo, leve e vibrante. O Jacarandá Indiano é uma madeira nobre, celebrada pelo seu equilíbiro com bons graves e brilho, e que foi selecionado para equilibrar harmoniosamente a sonoridade do tampo composto. O corte das madeiras é fantástico, e seu estado de secagem e amadurecimento também, com alta qualidade de seleção. Os tampos de abeto deste modelo possuem corte radial e estruturas medulares visíveis em toda a extensão, com grande resposta sonora.
 
A sonoridade do instrumento é vigorosa e muito potente. Possui som bastante encorpado, com timbre quente, doce e sofisticado. É uma sonoridade que mistura a de um tampo de abeto tradicional, com suas nuances de timbre e nitidez, com o calor e corpo do cedro. Possui um certo brilho na voz, que dá destaque a som e garante a nitidez nos acordes e passagens polifônicas, tendo assim uma vantagem na separação de vozes e colorido em relação a violões tradicionais de cedro. E possui também boa presença de frequências fundamentais, o que gera baixos gordos e doçura nas primas, possuindo mais corpo que um violão tradicional de pinho. O ataque tende ao suave, com certo impacto, mas sem ser percussivo. Assim, a nota tocada transmite uma sensação de nitidez junto com a de maciez.
 
A potência e projeção são um caso a parte: o violão responde muito bem ao toque, gerando bastante volume do som, e, além disso, projeta essa massa sonora de forma nítida, a distâncias de dezenas de metros. A perda sonora com a distância é relativamente pequena, e aliada ao volume, essa característica de projeção torna este instrumento muito adequado para palco. E não só os fortes, como também os pianos projetam bem, gerando uma gama dinâmica bem ampla.
 
Outro ponto bastante interessante é a sustentação, bastante acima da média, com as notas durando por um bom tempo tanto nos agudos como nos graves, em todas as posições. Ou seja, é um instrumento equilibrado. A tocabilidade é muito boa, com braço confortável, em forma de D suave, nem muito fino nem muito grosso, e cordas que reagem bem mesmo com altura mais próxima da escala.
 
O verniz é o poliuretano, aplicado com uma técnica especial, numa camada fina, que preserva a sonoridade, e ainda propicia certa proteção contra riscos. Não tanta quanto com uma camada grossa de poliuretano, e nem tão pouca quanto com a goma-laca, mas numa relação sonoridade x proteção bem interessante.
 
Esteticamente, possui decoração sóbria e singela, e o destaque são a mão no formato Torres com lâmina decorativa de jacarandá dos dois lados, e as próprias madeiras. A qualidade de acabamento de verniz e de montagem de filetes e junções não é o ponto forte desse modelo, apresentando certas imperfeições em todos os exemplares.
 
Acompanha Estojo e tarraxas Condor Luxo.
 
Condição:
- estrutural: 5/5. Excelente estado, é um violão novo.
- estética: 5/5. Excelente estado, é um violão novo.
 
Resumo:
 
Pontos fortes: Potência e projeção notórias, gama dinâmica (desempenho nos pianos e nos fortes) e sustentação excelente. Sonoridade encorpada da primeira à sexta corda, timbre com colorido e doçura, e ataque macio. Muito bos graves.
 
Pontos fracos: Resposta tímbrica muito boa, mas não excelente. Timbre mais doce pode não agradar os que gostam de timbre brilhante. Acabamento.
 
Conclusão: Um violão excepcional na faixa de valor, nível de concerto. É um instrumento definitivo, e para os que gostam da sonoridade nítida e refinada do abeto, mas com som grave e vigoroso, é extremamente recomendado. Poderia-se dizer que é um violão que mistura boas qualidades do cedro e do pinho, com o som caloroso que lembra um pouco o cedro, mas com brilho e nitidez do pinho. Não conhecemos nenhum outro instrumento, nessa faixa de valor, com tamanho desempenho em potência, projeção e sustentação. Está pronto para usar em palcos, e é indicado a instrumentistas que busquem som encorpado, cheio, sustentação, bons graves, muito boa tocabilidade e audibilidade por parte das platéias.
 
 
Sobre a captação opcional JJB Prestige 430C:
 
A captação JJB Prestige 430C é um sistema passivo que utiliza 4 transducers, fixados na parte interna do tampo, para capturar as mais variadas frequências do instrumento e produzir um sinal de alta fidelidade. Com este sistema, entendemos que a sonoridade acústica do violão é traduzida de forma bastante natural, mantendo a qualidade de timbre em um sistema amplificado. Devido ao fato de não haver nenhum elemento entre rastilho e cavalete, nem haver rasgos na lateral (pela ausência de preamp), o sistema interfere muito pouco na sonoridade acústica, e o violão pode facilmente ser revertido ao estado original ou receber outro sistema de captação. A Prestige 430C foi projetada especificamente para violões clássicos e é produzida nos EUA pela prestigiada JJB Electronics.
 
Após extensivos testes com resultados sempre melhores do que os diversos sistemas tradicionais de piezo, esta foi a captação selecionada pela Guitanda para os instrumentos Carvalho. Ela pode ser usada sem necessidade de preamp, ou em conjunção com um preamp externo para resultados mais particulares. Para maiores detalhes favor acessar o site do fabricante (http://www.jjb-electronics.com).

Informações Adicionais

Especificações Não

Tags do Produto

Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.