Bem Vindo à Guitanda!

Violão Flamenco Scremin 2015 SP/CY "Blanca Standard" (VENDIDO)

Seja o primeiro a comentar este produto

Disponibilidade: Esgotado

R$0,00

Descrição Rápida

João Scremin 2015 - novo
Violão Flamenco
 
Condição: estrutural (5/5), estética (5/5)
Tampo: Abeto europeu "bearclaw" (maciço)
Fundo e laterais: Cipreste espanhol (maciço)
Braço: Cedro brasileiro
Escala: Ébano, tradicional, 19 trastes
Formato do braço: “C” suave
Acabamento: Poliuretano fosco
Rastilho e pestana: Osso
Cordas: clássicas (nylon, carbono, similares)
Comprimento de corda: 660 mm
Espaçamento de cordas pestana/rastilho: 42,5/57,5 mm
Tarraxas: Rubner
Tensor: Não
Estojo: AMS Luxo
Golpeador: transparente, ambos os lados


* Selecione a opção "À vista com desconto: depósito, cheque, dinheiro" ao finalizar a compra, e o desconto será aplicado antes da confirmação de fechamento do pedido 

Diagonal

Duplo clique na imagem acima para visualizá-la maior

Reduzir
Aumentar

Mais Visualizações

  • Frente
  • Diagonal
  • Lateral
  • Fundo
  • Diagonal Fundo
  • Mão
  • Tarraxas Rubner
  • Mão: costas
  • Roseta e cavalete
  • Detalhe: roseta e filetação
  • Estojo AMS
  • Selo

Detalhes

Violão Flamenco João Scremin 2015 "Blanca Standard", n.58:
  
O luthier brasileiro João Scremin é um dos maiores talentos da geração de luthiers do século 21 no país. Tendo iniciado sua carreira da forma tradicional, como aprendiz e luthier de reparos, aos poucos foi desenvolvendo suas próprias obras, até que, em 2008, numa temporada na Espanha, firmou definitivamente suas convicções. Influenciado pela obra dos grandes luthiers espanhóis, tanto do passado como do presente, se voltou para a alta luteria tradicional, com o foco na sofisticação e beleza do timbre, na maestria em todos os detalhes da construção e na valorização de excepcionais materiais para trabalhar. Através de influências de diferentes escolas espanholas, João Scremin desenvolve um trabalho autoral, com elementos convergentes de diversas origens. Ele consegue aliar no seu trabalho o equilibrio e delicadeza que há na escola granadina, com a presenca e impacto da escola madrilenha, além de um timbre que traz a jocosidade brasileira. Tanto em seus instrumentos de 7 cordas como nos tradicionais 6 cordas ou flamencos, essa arte transparece e mostra um profissional talentoso e perfeccionista. A sua versatilidade e excelência é revelada ao listarmos alguns de seus clientes mais célebres, como Yamandú Costa, Paulo Bellinati, Odair Assad, Leo Eymard, etc., que transitam entre diversos estilos como o violão popular solista, o violão clássico e o violão de acompanhamento.
  
Este exemplar é uma guitarra flamenca blanca, na versão Standard. No universo flamenco, as guitarras que possuem caixa em madeiras claras, como o cipreste ou o maple, são chamadas de "blancas", tanto com tampo de pinho como de cedro. As blancas são guitarras flamencas com menor sustentação que as negras (as com caixa em madeira escura, como o jacarandá), com a característica de ataque agressivo e decaimento rápido flamencos, e são muito boas acompanhadoras. As blancas traduzem a tradição de dança e canto do flamenco. O Scremin possui a rara habilidade de conseguir um resultado autenticamente flamenco, mesmo não snedo ele próprio espanhol. Toda a construção é baseada no modelo flamenco tradicional, e o resultado é tão genuíno que a própria casa Conde (uma das famílias mais tradicionais da luteria flamenca na Espanha) avaliza o luthier e faz com ele uma parceria para construção de guitarras flamencas no Brasil. 
  
Nesse estilo de construção, o talento do luthier e a qualidade das madeiras são fundamentais para o sucesso sonoro, e ambos estão bem presentes neste exemplar. O tampo é de abeto europeu, de veio retos e estrutura medular (rajados laterais) em grande parte de sua extensão, o que denota um bom corte da madeira, com estabilidade e eficiência na transmissão sonora. Além disso, possui efeito figurado "bearclaw" (garra de urso), o que valoriza ainda mais o violão, tanto pela peculiaridade visual como também pelo fato de que essa peculiaridade traz também um timbre diferenciado, com um tempero a mais que não se encontra em tampos homogêneos. O cipreste do fundo e laterais é bem cortado, com veios paralelos e retos,  e a tonalidade se enquadra perfeitamente com a do tampo dando harmonia ao conjunto. O cipreste traz um som mais seco, com mais definição e sem embolar. O braço é de cedro brasileiro (cedro rosa), que possui resistência e leveza, e  escala é de ébano.
  
A sonoridade é clara, nítida, crespa. Possui textura e é seca, sem embolar, mas ao memso tempo possui uma certa cremosidade e refinamento. Típica de uma blanca, ela traz um decaimento rápido com baixo sustain, e ataque pronunciado. Esses elementos em conjunto fazem o timbre ser extremamente definido e nítido, com claridade ímpar. As agudas são penetrantes e ásperas, os graves imponentes. Um som quintessencialmente flamenco, massem ser genérico. Existe uma personalizade sofisticada no timbre, que lhe traz peculiaridade e tempero.
   
O equilíbrio é excelente. Possui excelente equilibiro vertical, entre cordas, com todas as cordas soando bem entre si.  As primas apresentam bom corpo e presença, e os bordões possuem nitidez e não perdem profundidade. A terceira corda possui bom brilho e a primeira corda,bom corpo. A transição entre todas as cordas, inclusive entre presas e soltas, é excepcional. Tem graves bem presentes, mas sem encobrir as primas. No aspecto horizontal, o equilíbrio também é excelente. Todas as posições soam com consistência, tanto na potencia como na sustentação. Os sobreagudos funcionam, inclusive o dó agudo. É um dos pontos altos do instrumento.
 
O volume é muito bom, traz o impacto sonoro necessário pro estilo. Percebe-se realmente a dinâmica ao se tocar. A projeção é muito boa, com boa nitidez na distância. A nitidez, aliás, é excepcional, com boa separação de notas e vozes. É possivel ouvir com clareza todas as notas, inclusive notas intermediárias graves em meio a rasgueios, sem com isso tornar a sonoridade dura. Pelo contrário, possui ainda uma mesclabilidade de som muito boa, o que ajuda a molhar os acordes e a dar ambiência ao som. O retorno sonoro é excelente, ajudando o intérpete a se ouvir de forma fiel ao que está sendo projetado. A resposta dinâmica é boa. Possui bom controle nos crescendos, e é possível destacar notas sem muito esforço, com o insturmento respondendo muito bem à mão. O desempenho nos fortes e fortíssimos é excelente, sem estourar e com pouca perda de qualidade sonora, e sem trastejo. Nos pianos, o instrumento perde um pouco do corpo, mas ainda possui um desempenho bem respeitável. 
  
A tocabilidade é excelente. O braço é muito confortável, com formato de C suave, ou seja, arredondado, mas fino e de forma ovalada, o que dá uma boa base para o polegar. O braço de espessura fina, mas não fina demais a ponto de obrigar a mão esquerda a fica tensionada, mantém a mão no ponto ótimo de relaxamento. O espaçamento entre cordas não é tão estreito a ponto de dificultar posições apertadas ou fazer a mão direita resvalar em cordas indesejadas. Mas também não é tão largo a ponto de dificultar aberturas verticais. A altura de cordas é baixa, como é típico da regulagem flamenca, para golpes e velocidade empicados, mas com baixo grau de trastejamento. É um instrumento realmente bem calibrado, com a visão de um intérprete nitidamente presente nas dimensões e formas. Essa boa regulagem e construção torna o violão tão confortável a ponto de não se notar que a escla é 660 mm, a sensação de tocar é de facilidade.
 
O verniz utilizado é poliuretano fosco. Um verniz bastante utiizado em luteria, que propicia uma sonoridade mais compacta e focada. A vantagem do PU (poliuretano) é a praticidade, sendo mais resistente à riscos, ao desgaste pelo suor e outros tipos de dano. A qualidade do acabamento do verniz também é muito boa, com uma aplicação na medida para não formar uma película muito grossa, e deixar aparecer anda a porosidade da madeira. O acabamento como um todo é de muita elegância, e o aspecto estético das madeiras é valorizado. A tonalidade rosea do tampo se harmoniza perfeitamente com o cipreste, e o efeito bearclaw realmente traz uma peculiaridade que quebra a monotonia monocromática. O acabamento fosco é bastante agradável e suave ao olhos, e a qualidade da montagem e colagem é perfeita.
  
Inclui estojo AMS luxo, e tarraxas alemãs Rubner.
 
Conservação:
- estrutural: 5/5. Excelente estado, é um violão novo.
- estética: 5/5. Excelente estado, é um violão novo.
  
Resumo:
  
Pontos fortes: Timbre límpido, seco, balanceado e com caráter. Excepcional equilibrio e nitidez. Resposta dinâmica excelente. Acabamento elegante. Tocabilidade excelente. Uma blanca genuina.
 
Pontos fracos: É um violão ainda novo e precisa de mais amadurecimento para abrir o som. Não possui ampla gama de variação de colorido tímbrico. 
 
Conclusão: É um instrumento excelente, um raríssimo exemplar nacional que respeita as origens flamencas. Não se trata de um violão clássico aflamencado, pelo contrário, é uma genuína flamenca blanca, que transpira qualidade ao ser vista e tocada. Possui um timbre seco e nítido, que ajuda nos resgueios, e também é muito adequado para estilos rítmicos. Possui ataque presente e decaimento rápido com baixa sustentação, o que dá um toque agressividade e articulação. Não é um instrumento romântico, e não sustenta tão bem melodias lcom notas longas (assim, seu uso solista em canções mais lentas pode ser limitado), como uma negra o faria. Mas pra todo tipo de acompanhamento, e solos mais ritmicos, é perfeito. Bem apropriado para o repetório flamenco tradicional de raiz, acompanhamento ou solo.

Informações Adicionais

Especificações Não

Tags do Produto

Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.