Bem Vindo à Guitanda!

Violão Arone 2008 SP/BR (VENDIDO)

Seja o primeiro a comentar este produto

Disponibilidade: Esgotado

R$0,00

Descrição Rápida

(VENDIDO)



Claudio Arone 2008 - Usado

Violão Clássico

Condição: estrutural (5/5), estética (4,5/5)

Tampo: Abeto (sólido)

Fundo e laterais: Jacarandá Baiano (sólido)


Braço: Mogno

Escala: Ébano, tradicional, 19 trastes

Formato do braço: “D”


Acabamento: Goma-laca


Rastilho e pestana: Osso


Cordas: clássicas (nylon, carbono, similares)

Comprimento de corda: 650 mm


Espaçamento de cordas pestana/rastilho: 42,5/58,5 mm

Tarraxas: Schaller

Tensor: Não

Estojo: AMS Luxo (incluso)





* Selecione a opção "À vista com desconto: depósito, cheque, dinheiro" ao finalizar a compra, e o desconto será aplicado antes da confirmação de fechamento do pedido 


Diagonal

Duplo clique na imagem acima para visualizá-la maior

Reduzir
Aumentar

Mais Visualizações

  • Frente
  • Diagonal
  • Lateral
  • Fundo
  • Diagonal: fundo
  • Mão: frente
  • Tarraxas Schaller
  • Mão: costas
  • Roseta e cavalete
  • Detalhe: roseta e filetação
  • Selo
  • Estojo AMS luxo

Detalhes

Violão Clássico Claudio Arone 2008 SP/BR n.128:
 
(VENDIDO)

O luthier brasileiro Claudio Arone é reconhecidamente um dos maiores luthiers do Brasil, com um trabalho consistentemente refinado, autor de grandes instrumentos de construção tradicional. O Arone se caracteriza pela extensa pesquisa que realiza em seu processo construtivo, e pela grande habilidade que possui na execução de seus trabalhos. Com décadas de carreira e uma média de menos de 10 violões construídos por ano, seu trabalho é detalhista e totalmente individual. Há um enorme tempo dedicado a cada instrumento, que recebe o foco de toda a atenção do luthier nos minimos detalhes da construção. Seus instrumentos são de alto padrão internacional, com sonoridade rica, sofisticada, responsiva e estética elegante. O Arone já exerceu a profissão de ourives, e na nossa opinião, até hoje, com seus violões, continua produzindo e lapidando jóias, mas agora, musicais.
 
É extremamente raro conseguir um violão Arone, pela sua baixa produção e pelo fato de que não há praticamente nenhum usado disponível para venda. Os proprietários de instrumentos Arone costumam mantê-los consigo. Por isso, é um enorme orguho podermos disponibilizar um Arone pela Guitanda.
 
Este exemplar, em excelente estado, se trata do modelo com as melhores madeiras do luthier. Madeiras que estava estocadas há muitos anos, reservadas para uso especial. O tampo é de abeto alemão, de primeira qualidade, como se pode notar pelos veios retos, uniformes e pelas estruturas medulares (os rajados laterais) ao longo de toda a sua extensão. É obviamente um corte totalmente radial, mas não só isso: é um tampo envelhecido, selecionado pelo seu excepcional taptone e demais propriedades acústicas. O fundo e laterais são um raríssimo jacarandá baiano imperial, de tonalidade escura e estável. Uma madeira linda, com sua tonalidade escura fazendo contraste dramático à tonalidade clara do tampo. O braço é feito de mogno, de grande estabilidade e a escala é de ébano de primeira linha. É praticamente o melhor que se pode achar em termos de madeira para violão, num conjunto consagrado pela tradição de séculos de luteria.
 
A sonoridade tem a magia que caracteriza os instrumentos do Arone. Timbre doce e cristalino, encorpado, com incidência enorme de harmônicos em cada nota, dos mais graves aos mais agudos. Uma sonoridade definida, cremosa, rica e com grande resposta aos mais sutis estímulos. O ataque de cada nota mistura suavidade e percussividade, com articulação suficiente para dar a sensação de contorno do som e maciez para dar doçura. Após o ataque, o som se sustenta bastante, decaindo lentamente, se mantendo com energia  e presença. Responde com qualidade aos planos de dinâmica, e com excepcional controle tímbrico. Este exemplar possui um dos mais belos bordões que já avaliamos, com baixos encorpados, profundos, macios e definidos ao mesmo tempo. Os baixos cantam muito expressivos, como barítono de bela voz, e as primas misturam a sensação de uma mezzo soprano com toques de contralto. É uma sonoridade muito difícil de descrever, mas que ao soar denota ao ouvinte claramente a estirpe nobre que a acompanha.
O equilíbrio é muito bom. Verticalmente, as cordas harmonizam seus timbres entre si. A terceira corda ainda possui o aspecto distinto peculiar a todos os instrumentos tradicionais, enquanto a primeira corda possui boa consistência com a segunda. Horizontalmente, as notas são equilibradas, e a ressonância é muito consistente em todas as casas, apesar de sutis diferenças de ressonância típicas de violões tradicionais, principalmente ainda jovens como este. A sonoridade já está razoavelmente aberta, com sobreagudos muito bons, e ressonância de harmônicos agudos bem presente.
 
O som é surpreendentemente maduro para a pouca idade. Já está pronto para palco, gravação ou qualquer uso profissional que se queira dar a ele. O que só nos leva a crer no incrível potencial que este violão ainda pode atingir com o passar dos anos. É o tipo de instrumento que revela todo o potencial do intérprete, mostrando as sutilezas pretendidas na interpretação. É claro, revelando também todas as carências. Por isso mesmo, é um instrumento excepcional para a formação musical, também servindo perfeitamente a quem quer se desenvolver e estudar, e não só a músicos profissionais já formados.
 
O volume é bom para um violão tradicional, acima da média de violões tradicionais de luteria. A projeção do som na distância é excelente, com muito alcance e nitidez. A resposta dinâmica é refinada, detalhada dos pianos aos fortes. A resposta tímbrica é excepcional, com nuances de colorido prontos para serem explorados.
 
A tocabilidade é muito boa. O instrumento responde bem a toques potentes, sem trastejar, mesmo com cordas numa altura confortável para a mão esquerda. O braço tem forma de D, com abaulamento na parte de trás e arestas de curva suave que geram um bom apoio para o polegar em todas as posições. A espessura do braço é confortável, fina o suficiente para permitir à mão ficar numa posição relaxada, sem fechar ou abrir demais.
 
O verniz utilizado é a goma-laca. Um verniz bastante tradicional, orgânico, que propicia uma sonoridade mais livre e com mais harmônicos, nesse tipo de construção. A qualidade do acabamento do verniz também é excepcional, e o Arone consegue um brilho uniformidade no polimento, que são raros em goma-laca. O acabamento como um todo é sóbrio, com contrastes entre o escuro do jacarandá e da roseta (feita artesanalmente pelo próprio Arone), e o claro do tampo. As madeiras fazem o ornamento, com o jacarandá do fundo propiciando uma gradação de tonalidade em direção às laterais. Efeito esse que o Arone combinou com a mesma gradação nas laterais, escurecendo em direção ao tampo.
 
Inclui estojo térmico da marca AMS, luxo, usado em bom estado, e tarraxas alemãs Schaller, em perfeita conservação.
 
Conservação:
- estrutural: 5/5. Excelente estado, é um violão novo, e de qualidade de construção soberba. Os trastes foram substituídos por novos, e uma modificação no cavalete para 12 furos foi realizada. Com a verificação do Arone.
- estética: 4,5/5. Ótimo estado. O Arone recentemente retocou a goma-laca, e fora o tampo está quase como novo. Algumas marcas superficiais atrás do cavalete.
 
Resumo:
 
Pontos fortes: Timbre sofisticado com muitas nuances de colorido. Baixos lindos, presentes, expressivos e equilibrados.. Nitidez e projeção para palco. Sustentação muito boa. Qualidade de construção excepcional, montagem e acabamento sofisticados. Tocabilidade ótima. Madeiras altamente valorizadas.
 
Pontos fracos: Bom volume, mas no nível de bons instrumentos tradicionais, e não como nas tecnologias modernas. O equilibrio horizontal ainda precisa de amadurecimento do violão, e a corda sol distinta pode não agradar quem busca maior uniformidade.
Conclusão: É um instrumento excepcional, de sonoridade rica e mágica, de personalidade peculiar e resposta fidedigna. É um violão de concerto pleno, de nivel internacional, e com ele se pode conseguir resultados num nivel fino de realização musical. É uma oportunidade rara de se possuir um violão tradicional de alto nível, de um luthier cujo trabalho tem reconhecimento e admiração de grandes concertistas. Poder adquirir um instrumento Claudio Arone já é raro. Tê-lo pronta-entrega é mais raro ainda. E nessas condições de madeira e qualidade, é algo muito provavelmente exclusivo. É um grande violão tradicional, apropriado a todos os estilos clássicos. E, neste caso, pelos baixos excepcionais, mesmo para choro e valsas brasileiras. Um companheiro para toda a vida, que vai amadurecer esplendidamente.

Informações Adicionais

Especificações Não

Tags do Produto

Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.