Bem Vindo à Guitanda!

Violão Martin Woodhouse 2011 SP/IN (VENDIDO)

Seja o primeiro a comentar este produto

Disponibilidade: Esgotado

R$0,00

Descrição Rápida

Martin Woodhouse 2011 - Usado
Violão Clássico

Condição: estrutural (5/5), estética (4/5)
Tampo: Abeto Europeu (maciço)
Fundo e laterais: Jacarandá Indiano (maciço)
Braço: Maple
Escala: Ébano, tradicional, 19 trastes
Formato do braço: “C” suave
Acabamento: Goma-laca tampo, Laca acrílica corpo 
Rastilho e pestana: Osso
Cordas: clássicas (nylon, carbono, similares)
Comprimento de corda: 640 mm
Espaçamento de cordas pestana/rastilho: 42,5/60 mm
Tarraxas: Sloane
Tensor: Não
Estojo: Hiscox (incluso)



* Selecione a opção "À vista com desconto: depósito, cheque, dinheiro" ao finalizar a compra, e o desconto será aplicado antes da confirmação de fechamento do pedido

Diagonal

Duplo clique na imagem acima para visualizá-la maior

Reduzir
Aumentar

Mais Visualizações

  • Frente
  • Diagonal
  • Lateral
  • Fundo
  • Diagonal fundo
  • Mão
  • Tarraxas Sloane
  • Mão: costas
  • Roseta e cavalete
  • Detalhe: roseta e filetação
  • Estojo Hiscox
  • Selo
  • Ambiente

Detalhes

Violão Clássico Martin Woodhouse 2011 SP/IN:
   
O britânico Martin Woodhouse é um luthier baseado em Cambridge, que segue uma linha de construção com influências de Rubio, Torres e Hauser. Na década de 1990, ele foi o último aprendiz do célebre luthier David Rubio (falecido em 2000), e herdou seus materiais e técnicas, as quais adaptou com suas próprias idéias construtivas. A partir da década de 2000, seu trabalho passou a ser cada vez mais reconhecido mundialmente, tanto em instrumentos clássicos tradicionais como com a continuação do modelo Brahms, com 8 cordas, que Rubio desenvolvera a pedido do violonista escocês Paul Galbraith. Os violões de Woodhouse se caracterizam pela sonoridade tradicional, com colorido e cremosidade, doçura e refinamento, e são adotados por artistas em todo o mundo. 
  
Este exemplar é o modelo tradicional do luthier, com estrutura fortemente influenciada por Rubio (até mesmo a roseta é a que era utilizada pelo Rubio), mas com características próprias de Woodhouse. Possui um conjunto excelente de madeiras, com abeto europeu no tampo, jacarandá indiano no fundo e laterais, maple no braço e escala de ébano. O tampo possui corte radial, estrutura de veios com ótima densidade, paralelos, repleto de medularidade. Realmente uma excelente madeira com bom corte e bom tempo de envelhecimento. O fundo e laterais são de um jacarandá indiano belíssimo, com tonalidade escura, corte radial de veios retos e densos, e presença de medularidade (raríssimo nesse tipo de madeira, indicando um corte excepcional). O braço e maple traz boa resistência e beleza, e a escala de ébano tem um trabalho de curvatura leve para propiciar boa tocabilidade.
  
O timbre é brilhante, leve, sofisticado, com boa presença de harmônicos. Uma sonoridade equilibrada nas suas frequências, gerando a impressão de transparência. Não tendo uma tendência exagerada nem ao doce nem ao estridente, pode-se caracterizar o timbre por uma certa neutralidade, que o torna maleável e submisos ao intérprete. Mas, ao mesmo tempo, não é uma neutralidade árida, mas sim com uma certa personalidade sonora, que torna o timbre distinto e desfrutável. Possui boa resposta tímbrica, com colorido em contrastes extremos mas também em gradações sutis, controláveis. O ataque é semi-pronunciado, com articulação e certa maciez, e o decaimento é bem típico de instrumentos tradicionais, com uma queda acentuada inicial que vai se suavizando e deixando uma sustentação boa.
  
A potência é mediana, não se caracterizando por ser um instrumento muito vigoroso. A escala mais curta contribui para limitar um pouco o volume, mas o desempenho de potência é bem de acordo com um instrumento para concerto, sem sobrar mas sem faltar. A projeção, por outro lado, possui bastante alcance, bem focada e direcional, com excelente nitidez. O som viaja compacto e definido por boas distâncias e tem poucas perdas. É um instrumento bem eficiente, e a sonoridade ouvida pelo intérprete é bem próxima da ouvida pelo público, sem ter uma queda de audibilidade brusca em teatros e salões. A resposta dinâmica é regular, com bom desempenho nos pianos, que são projetados e articulados, mezzos bem nítidos mas com certa limitação nos fortes. É claro, a regulagem suave com altura de cordas baixa contribui para a limitação dos fortíssimos, que devem ter mais margem dinâmica conforme regulagem de cordas mais alta. A controlabilidade da dinâmica é muito boa, com subidas gradativas e uniformes conforme a pressão de mão direita.
  
O equilíbrio é muito bom no seu aspecto horizontal, com notas que se comportam consitentemente ao longo do braço, posições sobreagudas em adequação com as posições no começo do braço, e cordas soltas e presas com boa similaridade sonora. Verticalmente, possui excelente equilíbrio entre primas e bordões, em termos de potência, sustentação e sonoridade. Pela pouca idade, a terceira corda possui um aspecto mais opaco, e a primeira corda não tem a robustez de instrumentos de escala mais longa, mas considerando-se o fato de ser 640mm, tem ótimo desempenho.
  
A tocabilidade é excelente. O braço é arredondado, mas de forma leve e anatômica, com uma espessura ideal para não comprimir ou expandir demais a pegada da mão esquerda. A escala possui uma leve curvatura, que possibilita pestanas mais confortáveis, e a regulagem de cordas é suave, baixa. Tal regulagem é calibrada para toques mais leves, e mesmo medianos, sem trastejar. Mas para toques um pouco mais vigorosos, basta-se trocar o rastilho para obter mais margem de vibração. De qualquer maneira, o ajuste geral de braço, cavalete e ângulos de construção parecem excepcionais. Além disso, a escala 640 mm facilita muito as aberturas e tralsados de mao esquerda. O violão se assenta bem na perna, com espaçamento de cordas confortável par a mão direita.
  
O acabamento é belíssimo, com goma laca no tampo, o que confere uma sonoridade mais orgânica, aberta. No restante do corpo e braço, foi utilizada a Nitrocelulose, que é uma laca sintética que propicia leveza e sonoridade, e um pouco mais de proteção do que a goma-laca. Além disso, permite o uso de ventosas, que são muito frequentes em apoios ou suportes para o violão que são aderidos nas laterais. Percebe-se que os vernizes foram aplicados de forma cuidadosa, na espessura ideal sem exageros. O conjunto de madeiras é muito belo, pela excepcional qualidade e uniformidade de veios. O braço de maple, que é bem claro, traz um contraste muito interessante com o fundo escuro. A roseta Rubio é elegante, contrastante, e o formato da mão é moderno, com elegância e simplicidade.  
   
Acompanha estojo térmico Hiscox (excelente estado) e tarraxas norte-americanas Sloane. 
 
Conservação:
- estrutural: 5/5. Excelente estado, é como um violão novo.
- estética: 4/5. Muito bom estado. Possui diversas marcas superficiais ao longo do tampo, leves e visíveis de perto somente.
 
Resumo:
 
Pontos fortes: Timbre delicado e sofisticado, equilibrado. Tocabilidade excelente. Projeção de longo alcance e muita nitidez. Acessórios excelentes (estojo Hiscox e tarraxas Sloane).
    
Pontos fracos: É um instrumento relativamente novo, e a sonoridade ainda vai amadurecer. Potência mediana, timbre não muito encorpado.
  
Conclusão: Destaca-se por ser um instrumento de sofisticação, timbre refinado, com colorido e gradações detalhadas de dinâmica e articulação. Sua tocabilidade é excelente, traz facilidades para ambas as mãos em diversas situações. Pela projeção nítida e de bom alcance, o instrumento possui características de concerto, e é muito indicado para quem quer um estilo interpretativo mais focado em nuances e timbres, mas sem ser muito doce ou meloso. Música do século 20, portanto, se encaixa bem nesse instrumento. Britten, Henze, Martin e muito do repertório de Bream neste período. Pela nitidez e aspecto cristalino do timbre, música renascentista e barroca também são muito adequadas. Talvez não tão adequado para música percussiva e de impacto, como repertório espanhol ou alguma parte do repertório brasileiro, mas se comporta muito bem com o repertório do período clássico, principalmente dos compositores baseados em Paris, como Sor, e possui a sutileza e doçura para ser expressivo no repertório mais romântico. Obviamente é um instrumento que tem um desempnho mais adequado para a música erudita. Recomenado para quem busca qualidade sonorda, nitidez, projeção, com desempenho de concerto e excelente tocabilidade, tanto para palcos como para gravações.
 

Informações Adicionais

Especificações Não

Tags do Produto

Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.